Artigos





Dinâmica de Grupo Uma proposta Piagetiana

11/07/2010 Ana Elisabeth Santos de Oliveira Lima


Em 1972, fui à cidade do México a convite da UNESCO para apresentar o método de Dinâmica de Grupo criado pelo Prof. Lauro de Oliveira Lima. Mas o que significa este método? Vou escrever um pouco a respeito, resumindo seu livro, para que os professores possam se utilizar em sala de aula, quando acharem conveniente assim proceder.

A Dinâmica de Grupo é uma forma nova de trabalhar, onde o professor não é o agente da aprendizagem. Ele propõe as tarefas (Situações Problemas) para que os alunos desenvolvam as mesmas através de técnicas didáticas. O professor deve ser muito competente para conseguir manter o interesse de seus alunos sobre os temas estabelecidos em seu planejamento. Em dinâmica de grupo, quem fala são os alunos e não o professor. Ele é um grande observador, que tem que saber exatamente o que os alunos estão realizando e o que estão aprendendo para saber propor a tarefa seguinte. O professor não será nunca parte do grupo. Os adolescentes sabem perfeitamente diferenciar, por mais empatia que ele tenha com o grupo, por isso ele deve estimular o grupo a trabalhar e, no final, propor uma auto-avaliação do grupo, inclusive avaliando até o próprio professor. O professor tem que conhecer muito bem seus alunos já que o grupo defende rigorosamente sua intimidade, pois sabem que o professore e um “inimigo” em potencial.

As carteiras devem ser individuais e deslocáveis para que possam ser feitas as várias formações necessárias ao desenvolvimento das técnicas de dinâmica. Devemos poder dispor todos em circulo, para que os adolescentes fiquem face a face. Todas as equipes (grupos) devem ter acesso ao quadro verde onde vão esquematizando o trabalho. Uma cartolina pode substituir o quadro. Todos os grupos devem ter acesso às enciclopédias, computadores e livros em geral. Não se pode trabalhar só com opiniões pessoais ou com meras reflexões. O grupo deve determinar um dos membros para ser o relator, mas todos devem tomar notas do que está sendo discutido. A tarefa deve estar sempre presente para que, a todo momento, o grupo possa ler e saber o que se pede. O professor deve dar as instruções por escrito aos grupos. O professor não deve economizar tempo com as regras de trabalho. Deve ser trabalhado o conhecimento de todos com todos para evitar a rejeição de qualquer um pelo grupo como um todo. Cada grupo deve escolher uma liderança que deve ser emergencial, isto é, para cada tarefa um membro do grupo deve ser escolhido e após acabar a tarefa volta ao nível do grupo. Devem estas lideranças ser reunidas pelo professor para receber as normas a serem seguidas. Deve ficar estabelecido que todas as regras precisam ser respeitadas por todos, como num jogo. Todos os membros do grupo têm que ter “papéis”, que devem ser discutidos por todos e obedecido em todas as tarefas. No grupo não pode haver hierarquia: todos são iguais e todas as opiniões tem o mesmo valor. Deve haver muito cuidado para que o líder não se transforme em um chefe ou monitor ou até mesmo em um inspetor. As decisões do grupo devem ser em forma de conselho, nunca arbitrariamente, pois o grande objetivo é chegar a autonomia.

Diz o professor Lauro de Oliveira Lima: “Acima de qualquer decisão do grupo, algumas regras devem ser consideradas tabu e transformadas em cartazes que serão colocados a vista de todos. São as regras que decorrem do conceito de reciprocidade, reversibilidade e objetividade.”

Para melhor trabalhar com Dinâmica de Grupo, recomendo a leitura do livro “Dinâmicas de Grupo: na Empresa, no Lar e na Escola – Grupos de Treinamento para a Produtividade”, do Professor Lauro de Oliveira Lima, relançado em 2005 pela Editora VOZES http://www.editoravozes.com.br/main/main.html



Comentários


Nenhum comentário


Inserir comentário




Estudei na Chave durante 10 anos e durante esse tempo não percebi o quanto significava fazer carderno de especialiedade, caderno de personagem, nao percibia o quanto era importante os debates e trabalhos em grupos. Os enigmas então, pra mim não tinham nenhuma importancia e hoje fazendo pré vestibular percebo o quanto são fundamentais, aprendi a interpretar e criticar qualquer assunto. Me sinto preparada na questão da moral pois a Chave debate sempre sobre todos os assuntos atuais visando sempre desenvolver a moral. Hoje com 16 anos sei o que quero da minha vida e devo tudo isso a toda equipe, principalmente a Beta diretora da escola.

Tamiris Coutinho, 16 anos, estudante
REFFER - Soluções para Internet

Copyright 2009 © - Todos os Direitos Reservados